PROJETOS

PROJETO ACOLHER
 

Desenvolve o SCFV – Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos de acordo com a Tipificação Nacional dos Serviços Socioassistenciais, para a faixa etária de 06 a 15 anos, focando na constituição de espaço de convivência, formação para a participação e cidadania, desenvolvimento do protagonismo e da autonomia das crianças e adolescentes, a partir dos interesses, demandas e potencialidades dessa faixa etária. As intervenções devem ser pautadas em experiências lúdicas, culturais e esportivas como formas de expressão, interação, aprendizagem, sociabilidade e proteção social. Inclui crianças e adolescentes com deficiência, retirados do trabalho infantil ou submetidos a outras violações, cujas atividades contribuem para resignificar vivências de isolamento e de violação de direitos, bem como propiciar experiências favorecedoras do desenvolvimento de sociabilidades e na prevenção de situações de risco social.

As atividades também devem desenvolver habilidades gerais, tais como a capacidade comunicativa e a inclusão digital de modo a orientar o jovem para a escolha profissional, bem como realizar ações com foco na convivência social por meio da arte cultura e esporte-lazer. As intervenções devem valorizar a pluralidade e a singularidade da condição juvenil e suas formas particulares de sociabilidade; sensibilizar para os desafios da realidade social, cultural, ambiental e política de seu meio social; criar oportunidades de acesso a direitos; estimular práticas associativas e as diferentes formas de expressão dos interesses, posicionamentos e visões de mundo de jovens no espaço público.

As atividades deverão ocorrer em dias úteis, em turnos diários de, no mínimo, 03 (três) horas e máximo 04 (quatro) horas, no contraturno escolar, com oferta mínima de 05 (cinco) vezes por semana. As atividades poderão ser realizadas em feriados e finais de semana em caráter de complementação de carga horária.

DSCN2428.png
DSCN2380.png
APRENDIZAGEM

 

Desenvolvido através de dois programas o “Jovem Aprendiz Administrativo” e o “Jovem Aprendiz Repositor”.

O Programa foi desenvolvido baseado essencialmente em uma proposta que tem como princípios, um processo educativo que pressupõe uma ação efetiva que permita ao adolescente seu pleno desenvolvimento físico, cognitivo e social permitindo-lhe a integração à sociedade onde o adolescente vivencia os desafios de criar sua própria identidade pessoal, e buscar uma qualificação profissional que facilite o acesso aos processos produtivos do mundo do trabalho interando-o ao convívio social, resgatando sua auto-estima enquanto cidadão e trabalhador.

 

Entendendo que seria um agravante deixar este adolescente muito vulnerável aos grupos de riscos, como a violência, desestruturação familiar, a falta de perspectivas e o assédio e promessas do mundo das drogas, por isso o entendimento de que não se trata de um mero abrir vagas de trabalho, mas sim de oferecer oportunidades reais, construir sentidos e viabilizar projetos para as novas gerações.

 

Não oferecer essa oportunidade custa caro para a sociedade, é o custo da violência da discriminação e da insegurança social cuja sociedade brasileira pode e deve reverter. Nesta perspectiva uma preocupação constante é a garantia dos direitos previstos no ECA, Estatuto da Criança e do Adolescente, principalmente os constantes no cap. V Do Direito à Profissionalização e Proteção no Trabalho.

DSCN2508.png